GEODIREITO
Direito Administrativo Geográfico
Planejamento e gestão territorial
Perícia Geográfica
Regulação e legislação geográfica
Relações Governamentais

 

Google admite que rastreia localização de usuário mesmo com GPS desligado

26 Nov 2017



Todos nós sabemos que os smartphones e outros dispositivos móveis podem usar a localização para expandir os recursos de vários aplicativos e serviços. No entanto, embora esses aplicativos geralmente exijam a permissão do usuário, agora há evidências de que os telefones Android podem estar enviando informações de volta para o Google sem autorização explícita.

Desde o início de 2017, os dispositivos Android gravaram a localização das torres celulares próximas e transmitiram essas informações de volta ao Google . Este processo foi realizado mesmo em dispositivos com serviços de geolocalização desabilitados e nenhum cartão SIM instalado.

Esta atividade do Google usa o mesmo mecanismo utilizado para transmitir notificações e mensagens aos usuários. Desde então, a empresa admitiu a prática, afirmando que nunca realmente usou ou armazenou os dados, e prometeu que ele vai parar de gravar a informação até o final de novembro de 2017.

"Em janeiro deste ano, começamos a usar os códigos de identificação de celular como um sinal adicional para melhorar ainda mais a velocidade e o desempenho da entrega de mensagens", disse um porta-voz da empresa em resposta ao portal de notícias, Quartz. "No entanto, nunca incorporamos o ID do celular no nosso sistema de sincronização de rede, de modo que os dados foram imediatamente descartados, e nós atualizamos o pedido para não solicitar o ID do dispositivo".

Havia a desconfiança de que todos os Androids modernos estavam sujeitos a este método de rastreamento ao longo de 2017. Segundo o conhecimento atual, se você possui um dispositivo Android e fez uma conexão com uma rede celular ou Wi-Fi em 2017, parece que sua localização estava sendo gravada.

Olho do céu

Aparentemente, seu telefone está “observando” as torres próximas, e isso pode parecer relativamente inofensivo. No entanto, se uma torre sozinha não é o suficiente para dar uma localização precisa do seu dispositivo, ao referenciar várias torres, a identificação da localidade em que você está é praticamente exata.

Esta é uma enorme invasão de privacidade. As pessoas têm todos os tipos de razões para desligar os serviços de geolocalização, e o sistema que estava no lugar ignorou essencialmente essas preferências e registrou os dados independentemente.

A política de privacidade do Google afirma que qualquer pessoa que usa os serviços da empresa está sujeita a ter sua localização rastreada. No entanto, não diz nada específico sobre se isso continua a ser aplicado quando os serviços de localização foram desativados. Resta saber se a política será alterada à luz das descobertas dessas práticas.

A empresa aparentemente distingue entre suas notificações Push serviços de mensagens e serviços de localização. Como tal, mesmo que os usuários desativem os serviços de localização, não há como excluir os serviços citados.

Empresas como o Google podem usar os dados de localização de seus clientes para fornecer materiais publicitários mais direcionados, o que lhes permite ganhar mais dinheiro. Os esforços de rastreamento em larga escala como este podem ser invasivos, mas é provável que se tornem cada vez mais comuns, já que as maiores empresas de tecnologia procuram novas maneiras de rentabilizar sua base de usuários.


Fonte: Economia - iG



Copyright 2008-2017 - Todos os Direitos Reservados
igd@geodireito.com