GEODIREITO
Direito Administrativo Geográfico
Planejamento e gestão territorial
Perícia Geográfica
Regulação e legislação geográfica
Relações Governamentais

 

ONU confirma calor recorde e diz que clima entrou em "território desconhecido"

26 Mar 2017



Informe anual publicado nesta segunda-feira, 20, pela Organização das Nações Unidas (ONU) confirma que 2016 bateu todos os recordes de temperatura, 2017 mantém a mesma tendência e o clima mundial entrou em “território desconhecido”. Segundo os cientistas, os modelos criados nas últimas décadas para examinar o comportamento da atmosfera já não atendem aos eventos extremos pelo planeta.

“Estamos vendo mudanças profundas ao redor do planeta que estão desafiando os limites de nosso entendimento sobre o sistema climático. Estamos de fato em um território desconhecido”, alertou David Carlson, especialista da entidade.

Os dados iniciais deste ano já preocupam. Em menos de três meses, o Ártico registrou três ondas de calor, com poderosas tempestades vindas do Atlântico e trazendo umidade. Durante o auge do inverno no Polo Norte, alguns dias tiveram temperaturas próximas do degelo. Em certos lugares, como a costa da Rússia, Alasca e partes do Canadá, a temperatura média ficou 3°C acima da média registrada entre 1961 e 1990. Em Svalbard, região ártica da Noruega, os registros apontam para 6,5°C acima da média histórica.

Em 2016, outros fatos já chamavam a atenção. Em 24 de março, a camada de gelo no Polo Norte era de 14,5 milhões de quilômetros quadrados, a mais baixa desde que satélites começaram a medir o espaço em 1979. Em novembro, o gelo chegou até mesmo a diminuir. Na Antártida, a redução da camada de gelo também foi recorde.

Segundo a ONU, as pesquisas indicam que as mudanças no Polo Norte e o degelo do Ártico estão levando a uma mudança nos padrões de circulação nos oceanos e na atmosfera. Isso afeta o clima em outras partes do mundo. “Novos estudos revelam que o aquecimento dos oceanos pode ter sido maior do que se previa”, apontou a Organização Meteorológica Mundial (OMM), braço da ONU. “Dados provisórios também indicam que não houve uma perda da taxa de aumento de concentração de CO2 na atmosfera”, disse.  

Para continuar a ler, clique aqui.
 


Fonte: O Estado de S. Paulo



Copyright 2008-2017 - Todos os Direitos Reservados
igd@geodireito.com