GEODIREITO
Direito Administrativo Geográfico
Planejamento e gestão territorial
Perícia Geográfica
Regulação e legislação geográfica
Relações Governamentais

 

Satélite brasileiro é lançado com sucesso na Guiana Francesa

11 Mai 2017



O Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC), primeiro satélite integralmente controlado pelo governo brasileiro, foi lançado na tarde desta quinta-feira, 4, às 18h50 (horário de Brasília), da base espacial de Kourou, na Guiana Francesa. Segundo o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Telecomunicações, o SGDC é o primeiro satélite que poderá ser utilizado para fins civis e militares no Brasil.

O principal objetivo do satélite é a ampliação da capacidade de telecomunicações do País, expandindo a cobertura de serviços de internet banda larga a todo o território brasileiro - com foco nas áreas de difícil acesso.

O SGDC também fornecerá um meio seguro para a transferência de informações militares e deverá ser utilizado para ajudar as Forças Armadas em operações nas fronteiras, segundo o governo. Atualmente, a Defesa nacional aluga o sinal de satélites privados de empresas estrangeiras. Assim que o SGDC estiver em operação, as comunicações dos órgãos públicos de defesa migrarão para o novo satélite.

O satélite é estacionário, isto é, ele gira na mesma velocidade da Terra e, portanto, fica permanentemente "estacionado" sobre um determinado ponto do planeta. Com 7,1 metros de altura, o equipamento pesa 5,7 toneladas.  Quando abrir as duas abas laterais, os painéis de captação de energia solar, terá a extensão de 37 metros. Sua vida útil prevista é de 18 anos.

Inicialmente previsto para o dia 21 de março, o lançamento foi adiado para o dia seguinte por causa de uma greve geral na Guiana Francesa. Houve ainda um segundo adiamento para o dia 23 e, então, um terceiro adiamento sem data prevista para retomada da operação.

O lançamento, feito pelo foguete Ariane 5, da empresa francesa Arianespace, levou o SGDC até uma altitude de 1.138 quilômetros, em pouco mais de 28 minutos. Nesse momento, o satélite foi desacoplado e agora seguirá viagem por mais 10 dias, navegando em trajetória circular, até entrar em sua órbita definitiva, a 35.926 quilômetros da superfície da Terra. Uma vez na posição geoestacionária, o SGDC entrará na fase de testes, que terá duração de aproximadamente dois meses.

O desenvolvimento do satélite foi conduzido pela empresa francesa Thales Alenia Space, por meio de um contrato com a Visiona - uma joint venture formada pela Embraer e pela estatal Telebras. A parceria envolve ainda o MCTIC e o Ministério da Defesa (MD).

A responsabilidade pela operação e pelo monitoramento do satélite é da Força Aérea Brasileira (FAB), a do Centro de Operações Espaciais Principal (COPE-P), uma nova organização militar sediada em Brasília, onde está instalada a antena que captará os dados.

A antena, de 42 toneladas, tem 18 metros de altura e 13 de diâmetro. O equipamento funcionará 24 horas por dia, com o suporte de uma centena de técnicos e especialisatas, que irão se revezar em três turnos.

O equipamento espacial é parte do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), lançado pelo governo brasileiro em 2010  com o objetivo de popularizar a internet no País. Em 2013, na gestão Dilma Rousseff, o satélite brasileiro recebeu um investimento inicial de R$ 2,1 bilhões.

O valor atualizado do investimento chega agora a R$ 2,784 bilhões, dos quais o Brasil já pagou R$ 2,060 bilhões. O restante, cerca de R$ 724 milhões, deve ser pago até 2019.

Em março, segundo informações do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), o governo informava que o País já havia desembolsado, somente na gestão de Michel Temer, R$ 495 milhões com o projeto.

O SGDC vai oferecer 57 transponders de banda ka, de uso comercial, e 5 canais de banda X, para uso militar. Com o equipamento no espaço, a Telebras terá capacidade para transmissão de até 57 Gbps (Gigabites por segundo), atendendo a demandas de comunicação e internet rápida em rincões como comunidades da Amazônia ao sertão nordestino e pampa gaúcho.

Segundo a Telebrás, a banda ka cobrirá toda a superfície do território brasileiro, proporcionando acesso à internet e facilitando programas de comunicações entre órgãos do governo como os Ministérios da Saúde e da Educação. Já a banda X, terá cobertura mais ampla, abrangendo toda a América do Sul com comunicação criptografada.

Novo projeto terá tecnologia de ponta para controle de atitude e órbita do satélite

A empresa brasileira Visiona Tecnologia Espacial planeja a construção e lançamento de um novo satélite nos próximos dois anos. O projeto já tem a previsão de investimento, cerca de US$ 8 milhões, e a ideia é construir um equipamento aproveitando a transferência de tecnologia no projeto SGDC, feito na França pela Thales Alenia Space. Engenheiros da Visiona já dominam uma nova tecnologia, um software de controle de atitude e órbita, ou seja, um programa que ajusta as câmeras do satélite apontando-as para o alvo desejado da Terra.

“O software é um avanço que conseguimos com o programa de transferência de tecnologia do SGDC”, contou o presidente da Visiona, Eduardo Bonini. O software soluciona o vazio existente na construção dos satélites, que é o controle de navegação do equipamento que está no espaço pelas equipes da Terra. No processo da construção do SGDC, engenheiros brasileiros participantes acumularam conhecimento para a montagem do projeto de controle de atitude e órbita, o que torna o aparelho que está no espaço uma câmera que obedece aos comandos de solo.


Fonte: O Estado de S. Paulo



Copyright 2008-2017 - Todos os Direitos Reservados
igd@geodireito.com